7 dirigentes que nunca jogaram futebol

O caminho mais comum para o gerenciamento de futebol é, sem surpresa, ter sido um jogador de futebol profissional e depois passar para o cargo de treinador e gerenciamento. Tornou-se cada vez mais claro ao longo dos anos que a habilidade de uma pessoa em campo não tem absolutamente nenhuma influência sobre seus talentos no banco de reservas, e alguns dos melhores dirigentes do futebol mundial agora eram realmente medíocres ou piores do que os próprios jogadores medíocres.

com quem a lixadeira Deion é casada agora

Este vídeo foi solicitado várias vezes e frequentemente está entre os principais comentários. Normalmente, isso me levaria a fazer o vídeo bem rápido, mas eu o adiei desde que fiz um vídeo com 7 treinadores que eram inúteis como jogadores em setembro de 2017, quando este canal tinha apenas alguns meses. Já que houve tantos pedidos, e eu não gostaria de ter que assistir as monstruosidades que são meus primeiros vídeos sobre ninguém, decidi morder a bala e finalmente obedecer.



Para distinguir os dois vídeos, certamente não se trata de gerentes que eram uma porcaria como jogadores de futebol. Estes são os dirigentes que literalmente não jogaram futebol competitivo. Mesmo o futebol semi-profissional ou da academia exclui você dos sete, então não haverá Brendan Rodgers, Maurizio Sarri e Arrigo Sacchi. Este é um sete que tem tanta, senão menos experiência de jogo do que aqueles de vocês que estão assistindo este vídeo.



Aqui estão 7 treinadores que nunca jogaram futebol:

7. Avram Grant



Você tem que dizer que apenas olhando para Avram Grant, de alguma forma não parece particularmente surpreendente saber que ele nunca jogou futebol. Provavelmente mais conhecido pelos nossos telespectadores por sua amizade com Roman Abramovich e por um período no comando do Chelsea, Grant está na gestão do futebol há 47 anos, apesar de ter apenas 64 anos.

Sua família veio da Polônia, onde eles tiveram o que poderia ser descrito como um par de décadas muito difíceis, embora isso fosse um eufemismo grosseiro. A família fugiu da Polônia para a União Soviética para evitar as câmaras de gás, apenas para ser exilada para a Sibéria pelos soviéticos, onde a maioria da família morreu. Eles se reinstalaram em Israel após a guerra, onde Grant nasceu, e ele começou a treinar o time juvenil de sua cidade natal, o Hapoel Petah Tikva, quando ele tinha apenas 18 anos.

Ele manteve essa função pelos próximos 14 anos, antes de ser nomeado o primeiro chefe da equipe do clube. Ele fez um trabalho magnífico, terminando o exílio de 25 anos de Petah Tikva da primeira divisão, quase ganhando um título da primeira divisão e ganhando sua primeira Copa Israelense. Sucesso no Maccabi Tel Aviv e no Maccabi Haifa se seguiu, antes de Grant ser nomeado técnico da seleção israelense em 2002. Israel não se classificou para a Euro 2004 ou a Copa do Mundo de 2006 e Grant deixou a seleção nacional para se tornar diretor técnico em Portsmouth.



Ele então assumiu o cargo de diretor de futebol do Chelsea e, dois meses depois, foi nomeado técnico do time, após a saída de José Mourinho. Roman Abramovich deu a seu amigo um contrato de quatro anos depois de uma série de 18 jogos sem perder, mas após derrotas nas finais da Copa da Liga e da Liga dos Campeões, seu contrato foi rescindido no final da temporada. Grant, desde então, gerenciou jogadores como Portsmouth, West Ham e Gana, e mais recentemente teve uma breve passagem como técnico interino do time da Super League indiana NorthEast United FC.

6. Brian Kerr

Brian Kerr, treinador das Ilhas Faroé, durante conferência de imprensa após a qualificação do Grupo C para o UEFA EURO 2012, entre Itália e Ilhas Faroé, no estádio Artemio Franchi, a 7 de setembro de 2010 em ... Brian Kerr, treinador principal das Ilhas Faroé, durante conferência de imprensa após a qualificação para o Grupo C do UEFA EURO 2012, entre Itália e Ilhas Faroé, no estádio Artemio Franchi, a 7 de setembro de 2010 em…

Outro ex-técnico da seleção nacional, Brian Kerr dirigiu a República da Irlanda de 2003 a 2005, apesar de nunca ter chutado uma bola com raiva como jogador. Kerr percebeu logo no início que, apesar de seus interesses no futebol e no boxe, ele não era hábil o suficiente para se tornar profissional. Então, aos 13 anos, ele começou a treinar, com seu primeiro emprego sendo o time sub-11 do Crumlin United.

Em 1974, ele assumiu o cargo de gerente da equipe Shamrock Rovers B, antes de se tornar gerente da equipe reserva e, eventualmente, gerente assistente em Shelbourne. Em 1986, Kerr começou um caso de amor de dez anos com o St Patrick’s Athletic, onde ainda é adorado até hoje. Kerr não só levou o St Pats ao título da Leinster Cup e ao primeiro título da primeira divisão desde 1956, como também investiu pessoalmente no clube e ajudou a arrecadar fundos para evitar a liquidação, vendendo quase todo o time, reconstruindo e ganhando uma segunda liga título.

A Irlanda recrutou Kerr para treinar suas equipes juvenis, que nunca haviam conquistado um grande troféu antes, mas sob a liderança de Kerr venceram os campeonatos europeus de sub-18 e sub-16, além de ganhar o bronze no Campeonato Mundial Juvenil de 1997. Essas conquistas o levaram a ser nomeado o sucessor de Mick McCarthy com a seleção nacional, mas a associação teve vida curta após o fracasso na qualidade do Euro 2004 ou da Copa do Mundo de 2006. Mais tarde, ele gerenciou as Ilhas Faroe de 2009 a 2011, mas está sem gerenciamento desde então.

5. Andre Villas-Boas

Um dos mais conhecidos treinadores não-jogadores do futebol mundial, até sua transferência para o Chelsea, tudo que Andre Villas-Boas tocava parecia virar ouro. Bisneto de um aristocrata português além de avó inglesa de Stockport, aos 16 anos, Villas-Boas vivia no mesmo bloco de apartamentos que o manager do Porto, Bobby Robson. Após uma discussão entre os dois, Robson pediu a Villas-Boas para se juntar à sua equipe técnica.

Ele adquiriu uma licença de técnico da UEFA C aos 17 anos, uma licença B aos 18 e uma licença A e uma profissional aos 19 anos. Após uma breve passagem como diretor técnico da seleção nacional das Ilhas Virgens Britânicas, Villas-Boas tornou-se adjunto de José Mourinho treinador, seguindo-o do Porto ao Chelsea e Inter de Milão. Ele começou sua própria jornada como técnico há uma década no Academica, de 31 anos, levando o clube da última posição para a 11ª colocação, dez pontos a mais do rebaixamento.

Isso alertou figuras seniores do Porto que já conheciam bem Villas-Boas, e ele ingressou no clube como treinador em 2010. Em uma única temporada no comando, Villas-Boas venceu uma quadrupla, incluindo um título da Primeira Liga e a Liga Europa, tornando-se o O treinador mais jovem a ter conquistado um importante troféu europeu. Villas-Boas teve passagens menos inspiradoras pelo Chelsea e pelo Tottenham, talvez um pouco jovem demais, e assumiu o comando do Marselha no verão, após passagens pela Rússia e China.

4. Ron Noades

1 de dezembro de 1998: Presidente e gerente de Brentford, Ron Noades, no campo de treinamento em Brentford, Inglaterra. Crédito obrigatório: Jamie McDonald 1 de dezembro de 1998: Presidente e gerente de Brentford, Ron Noades, no campo de treinamento em Brentford, Inglaterra. Crédito obrigatório: Jamie McDonald

Enquanto todos os outros nestes sete até agora foram gerentes que começaram a treinar muito jovens, a rota de Ron Noades para a gestão foi um pouco diferente. Deve-se notar neste ponto, caso ainda não seja óbvio, que este sete não está realmente em uma ordem particular. Nascido em Londres, Ron Noades era proprietário de vários clubes de golfe no sudeste da Inglaterra. Ele é mais conhecido, no entanto, por sua associação com alguns clubes de futebol.

Noades foi dono de Southall, Wimbledon, Crystal Palace e Brentford fora da liga por um período de mais de três décadas. Sua melhor conquista em Wimbledon foi a contratação de Dave Bassett, embora Noades tenha saído antes de colher os frutos dessa nomeação. Ele liderou o Crystal Palace para a era de maior sucesso na história do clube, chegando a uma final da FA Cup e terminando em terceiro lugar na primeira divisão, graças a outra boa nomeação na forma de Steve Coppell.

Além de alguns bons compromissos, no entanto, Noades também fez alguns bastante incomuns ... principalmente ele mesmo. Ele atuou apenas como gerente interino no Crystal Palace com o rebaixamento da equipe já confirmado, o que talvez fosse menos incomum, mas ele decidiu se dar o cargo de chefia permanentemente em Brentford. Para ser justo, ele orientou as Abelhas para a promoção da Terceira Divisão e para a segurança na Segunda Divisão, antes de renunciar como presidente e gerente em 2000. Ele vendeu sua participação majoritária em 2006 e morreu de câncer de pulmão em 2013, apesar de ser um não fumante.

3. Bill Struth

Sem dúvida o técnico de maior sucesso que nunca jogou futebol em termos de troféus conquistados, Bill Struth é o segundo técnico de maior sucesso na história do futebol europeu. O técnico escocês ganhou 30 troféus em 34 anos como técnico do Rangers, o que significa que ele fica atrás apenas do compatriota Alex Ferguson nas disputas de troféus. Nascido em Edimburgo, Struth competiu como corredor profissional até os 30 anos, quando começou a treinar primeiro no Hearts e depois no Clyde.

Em 1914, ele se juntou ao Rangers como gerente assistente, e seis anos depois ele se tornou o segundo gerente de equipe do clube, após o primeiro - William Wilton - se afogar em um acidente de barco. Com 45 anos na época, ele continuaria a dirigir o time até os 79, apenas dois anos antes de sua morte. Durante esse tempo, Struth ganhou 18 títulos da Liga escocesa, 10 Copas da Escócia e 2 Copas da Liga da Escócia. Nada mal para um corredor aposentado que nunca jogou futebol. Um busto de Struth está em exibição do lado de fora do estande principal de Bill Struth em Ibrox desde 2005.

2. Leonardo Jardim

MONTPELLIER, FRANÇA - 5 de outubro: Leonardo Jardim, treinador principal do Mônaco na linha lateral durante o Montpellier V Mônaco, partida da temporada regular da Ligue 1 francesa no Stade de la Mosson em ... MONTPELLIER, FRANÇA - 5 de outubro: Leonardo Jardim, técnico principal do Mônaco na linha lateral durante o Montpellier V Mônaco, jogo da temporada regular da Ligue 1 francesa no Stade de la Mosson em…

Provavelmente o técnico de maior destaque no futebol mundial que nunca jogou, Leonardo Jardim fez um trabalho magnífico no Mônaco entre 2014 e 2018. Nascido na Venezuela, filho de pais portugueses, a família de Jardim mudou-se para a Madeira quando Jardim era muito jovem era. Ele treinou para ser um P.E. professora, treinadora de crianças, time feminino e até handebol.

A sua carreira de treinador começou aos 27 anos, quando conseguiu um emprego como treinador adjunto no clube madeirense local Camacha. Alguns anos depois, assumiu o cargo de cúpula, que ocupou por cinco anos, antes de ingressar no Chaves, rivais da divisão continental. Foi promovido à segunda divisão com o Chaves, antes de ingressar no Beira-Mar, com quem conquistou outra promoção, desta vez para a Primeira Liga.

Com uma reputação crescente no jogo português, o clube seguinte de Jardim foi o Braga, onde terminou em terceiro, antes de rumar para o Olympiacos. Regressou a Portugal para se juntar ao Sporting, antes de ser contratado pelo Mónaco em 2014. Jardim facilitou a ascensão de vários jovens jogadores na minúscula cidade-estado, terminando em terceiro em cada uma das primeiras duas temporadas, antes de ganhar um título da Ligue 1. Jogadores como Fabinho, Bernardo Silva e Kylian Mbappe estrelaram pelo Mônaco na conquista do título e na semifinal da Liga dos Campeões, antes que o elenco fosse desmontado. Jardim deixou Mônaco depois de um início ruim em outubro de 2018, mas voltou em janeiro de 2019 depois que sua substituição Thierry Henry foi ainda pior.

1. Carlos Alberto Parreira

Alguns jogadores de futebol verdadeiramente excelentes, de Didier Deschamps a Mario Zagallo e Franz Beckenbauer, venceram a Copa do Mundo como dirigentes, mas apenas um homem ganhou o troféu mais premiado do futebol, apesar de nunca ter praticado o esporte. Esse homem é Carlos Alberto Parreira, que também tem a distinção de ter estado em seis finais de Copas do Mundo diferentes, o que é mais do que qualquer outro treinador.

Tal como Jardim, Alberto Parreira formou-se como P.E. professor, e quando o governo de Gana indagou ao Ministério das Relações Exteriores do Brasil sobre um treinador, a mensagem foi encaminhada para a universidade estadual do Rio de Janeiro. A universidade recomendou um de seus alunos mais brilhantes, Carlos Alberto Parreira, de 23 anos, que em 1968 tornou-se técnico da seleção ganesa.

Parreira desempenhou um papel fundamental no desenvolvimento do futebol em Gana, e a nação é hoje uma potência no futebol africano. Um nômade gerencial, Parreira já foi nomeado 25 vezes, embora não por 25 clubes ou nações diferentes, muitas vezes tendo várias passagens por equipes. Sua maior conquista, sem dúvida, veio em 1994, quando levou o Brasil ao seu primeiro título mundial desde 1970 nos Estados Unidos, sendo nomeado Gerente do Ano pela World Soccer Magazine em 1994 também. Agora com 76 anos, Parreira mais recentemente dirigiu a África do Sul na Copa do Mundo de 2010, mais tarde atuando como diretor técnico, mas parece ter deixado a gestão desde 2012.

Em outras notícias, 'todos concordamos': o presidente quer manter o empréstimo do Leeds no próximo ano; acordo em vigor