Crítica do filme: A VIDA EM LINHA

John Travolta estrela como um atacante cujo trabalho é arriscar a vida todos os dias enquanto conserta fios elétricos no novo filme ‘Life on the Line.

‘Life on the Line’ segue uma fórmula de filme que já vimos muitas vezes. A perda de seus pais destrói a vida de uma menina e ela é criada pelo tio, que faz o mesmo trabalho que seu pai, um trabalho que o matou. Travolta é seu tio Beau Ginner (que nome!). Depois que seu pai foi eletrocutado enquanto consertava fios de uma linha telefônica, e depois que sua mãe morreu em um acidente de carro no caminho para o hospital - cabe a Beau criar Bailey. Agora mais velha, Bailey (Kate Bosworth), ainda tem que conviver com o fato de que, como seu pai, Beau pode nunca mais voltar para casa devido aos perigos de seu trabalho. Jogue em uma subtrama sobre um vizinho duvidoso, uma grande tempestade no horizonte que poderia ameaçar a vida de Bailey e também como Travolta parece ridículo com uma barba e cabelo tingido de preto, e é um filme tão inacreditável e anti-dramático (e anti-climático) como qualquer coisa que você já viu há muito tempo.



O trabalho de Travolta tende a ser muito bom (premiado no ano passado ‘ The People v. O. J. Simpson: American Crime Story ‘) Ou muito, muito ruim (‘ Killing Season ’de 2013 e‘ I Am Wrath ’do ano passado). ‘Life on the Line’ não lhe faz muita justiça. O enredo é muito previsível e o final é ridículo. ‘Life on the Line’ é ter um lançamento digital e em DVD (e não no cinema), o que sempre implica que o filme não foi bom o suficiente para distribuição nos cinemas. Aqui está um link para o trailer para que você possa decidir por si mesmo se deseja assisti-lo mais (o trailer mostra muito do enredo): https://youtu.be/L_5HrzU1S1E .